Escrita – A Diferença dos Alfabetos Latino e Cirílico

Intrigado com tamanha diferença dos caracteres russos que ganharam o mundo durante a Copa 2018? 

Realmente, os alfabetos latino e cirílico, base da língua russa, são muito diferentes visualmente e isso não é mero acaso.

A intenção de seus criadores era justamente criar um alfabeto mais próximo da identidade nacional dos países eslavos, que não eram contemplados pelos símbolos latinos disseminados na maior parte do globo.

Para contar essa história, começaremos com a definição padrão de escrita:

A escrita é a evolução de antigas tradições dos sistemas de símbolos ideográficos e mnemónicos do início do período Neolítico.

Não entendeu nada? A gente explica!

 

Para Que Serve A Escrita?

Diferentes formas de escrita surgiram em diferentes sociedades pré-históricas, tendo os primeiros registros aparecido entre 3.000 a.C. na Mesopotâmia e 300 a.C. na Mesoamérica.

O extenso período entre o desenvolvimento da técnica em diferentes sociedades se deu porque a escrita é o resultado do conhecimento acumulado e evoluído ao longo de milhares de anos.

Simbolizando essa evolução, vejamos o surgimento da escrita entre os Sumérios, um povo ao sul da Mesopotâmia que viu sua capacidade de produção crescer a um ponto que exigia uma forma mais eficiente de controlar seus bens e seu comércio.

Para conseguir tal controle, passaram a usar tábuas de argila para registrar as quantias de cada produto transacionado, cada item com um desenho que o simbolizasse e suas respectivas quantidades.

Com o passar do tempo, esses desenhos foram perdendo os detalhes e sendo simplificados, transformando-se em sinais padronizados, que logo percorreram a sociedade, fazendo surgir os escribas, especialistas em escrita e responsáveis pelas anotações e registros da antiguidade, apontados por vezes como os primeiros funcionários públicos do mundo.

Representação do processo de formação dos caracteres do alfabeto latino.
Representação do processo de formação dos caracteres do alfabeto latino

 

Sistemas de Escrita

Os Hieróglifos, sistema em que foi escrita a famosa Pedra de Roseta, compõe a escrita do Egito Antigo e é também uma das mais antigas que se tem registro, ela contava com cerca de 6.900 sinais diferentes, cada um deles representando uma palavra, ideia ou um som, o que os tornava extremamente complexo e de difícil aprendizado e fez com que caísse em desuso.

Representação da Estela de Paser
Detalhe dos símbolos hieróglifos na Estela de Paser

 

Era nesse formato que surgiram os primeiros sistemas de escrita, com sinais e desenhos extremamente detalhados e elaborados, mas eles não eram usuais e logo foram ficando cada vez mais simples, abrindo espaço para os primeiros alfabetos.

 

A Evolução da Escrita: Símbolos, Letras, Sílabas e Palavras

Com as quantias produzidas e vendidas pelas sociedades aumentando exponencialmente, a simplicidade dos símbolos começou a ser essencial, além de passar a exigir também especificidade – era preciso símbolos distintos para produtos e termos semelhantes.

Por exemplo, o símbolo para uma pessoa e uma família não poderiam ser o mesmo, assim como um coelho e uma ninhada de coelhos também deveriam ser representados por símbolos diferentes e fazer o desenho de uma pessoa ou várias pessoas vendendo um coelho ou vários coelhos não era exatamente a opção mais propícia no meio de uma negociação.

Para simplificar, começou-se a utilizar símbolos mais simples e genéricos, surgindo as primeiras letras.

Então, as letras começaram a se multiplicar em sequência, simbolizando plurais e outras variações.

Logo, depois das letras, foram surgindo sílabas e palavras inteiras.

 

Escrita Minoica

Em situação análoga à da civilização suméria, os minoicos da Ilha grega de Creta também experimentavam uma época muito próspera em sua agricultura e comércio, chegando a construir palácios para armazenar sua produção, sendo o principal deles o palácio de Cnossos.

Com fins burocráticos, passaram a usar tabuletas de argila e cerâmica para fazer o registro de seus armazenamentos de produtos e transações comerciais.

Para isso, criaram uma adaptação dos hieróglifos, conhecida atualmente como Linear A,

Tal adaptação consistia num sistema muito mais simples e prático que seu antecessor.

O Linear A contava com cerca de 100 símbolos, entre ideogramas e números, e acredita-se que em 1600 a.C. esse sistema era usado em toda a ilha, tendo algumas variações locais.

Tabuleta de argila com inscrições do Linear A
Tabuleta de argila com inscrições do Linear A

 

Por volta de 1450 a.C. a Ilha de Creta foi invadida pelos micênicos, que fizeram uma nova adaptação da escrita, criando o Linear B (que posteriormente ainda teria uma outra versão, o Linear C).

Neles é possível perceber símbolos bastante similares aos caracteres latinos atuais.

A partir do Linear B é possível identificar valores fonéticos para cada símbolo, que podem ser vistos nesse quadro com alguns símbolos e seus respectivos fonemas.

 

A Escrita Grega Disseminada Pelo Mundo

Além da distribuição interna, os minoicos também comerciavam suas produções com as civilizações mediterrâneas, incluindo os fenícios.

A Fenícia era uma potência marítima e por isso, necessitavam de um sistema de escrita que fosse facilmente absorvido e compreendido por povos de vários idiomas distintos, então, os fenícios adaptaram mais uma vez o sistema silábico dos minoicos de Creta e simplificaram-no ainda mais, criando um alfabeto eficiente, com apenas 22 caracteres com letras únicas.

O alfabeto fenício foi a base para quase todos os outros alfabetos que surgiram ao redor do mundo, especialmente para o alfabeto grego que foi adotado por Roma depois da invasão de Alexandre, o Grande à Grécia no Período Helenístico.

Na sequência, Roma construiu um dos maiores impérios do mundo e, somando ao contato com as civilizações bárbaras e o cristianismo sendo disseminado com as Grandes Navegações, a escrita grega (baseada no alfabeto fenício, que, por sua vez, era baseado na escrita minoica) se espalhou pelo mundo e tornou-se a base do alfabeto latino atual, utilizado por quase todos os idiomas contemporâneos.

 Representação das línguas oficiais no Mapa Mundi

Os países com sistema latino como oficial estão destacados em verde escuro, em verde claro, estão os países que tem o sistema latino e outro como oficiais. 

 

Além da Escrita Latina

Há ainda os alfabetos grego, hebraico, arábico, cirílico e ainda outros.

O hebraico e o grego, assim como o latino, são derivações do alfabeto fenício.

A escrita arábica tem extrema força cultural e religiosa, dado que foi a língua em que o profeta Maomé escreveu o Corão, livro sagrado muçulmano. O primeiro registro feito com a escrita da caligrafia de Nabateus encontrada remonta a 328 a.C.

Já a história do alfabeto cirílico é bem mais recente e muito menos disseminada aqui no Ocidente.

Também conhecido como azbuka, ele surgiu na Bulgária durante o Império Bizantino por volta do século IX, tendo pouco mais de 1 milênio de existência.

Na época, havia muitas diferenças entre os idiomas eslavos, então Kirill e seu irmão Methodius, sacerdotes cristãos búlgaros filhos de um influente funcionário Bizantino, criaram o alfabeto glagolítico, de forma a traduzir a Bíblia para os eslavos.

Assim como hoje sentimos essa estranheza visual com os caracteres do alfabeto cirílico, os eslavos também não ficavam confortáveis em ler seu Livro Sagrado em um alfabeto que não refletia sua identidade étnica, por isso os alfabetos são tão diferentes entre si.

O alfabeto glagolítico, considerado o primeiro alfabeto eslavo, possuía cerca de 40 letras.

Caracteres do Alfabeto Glagolítico
Caracteres do Alfabeto Glagolítico

  

Os irmãos foram acusados pelo clero alemão de violar o dogma cristão pregando a palavra de Deus sem usar os idiomas hebraico, grego ou latim e morreram tentando defender o direito dos povos eslavos de ter sua própria língua em celebrações religiosas.

Seus discípulos dedicaram-se a propagar sua obra, na qual fizeram ajustes e remodelagens, resultando no alfabeto cirílico.

O alfabeto cirílico arcaico era composto por 44 letras, ele passou por modificações e adaptações nas suas diferentes pátrias, de forma que não há um alfabeto cirílico moderno padrão.

O alfabeto russo, por exemplo, passou por reformas ortográficas específicas com Pedro, o Grande e possui apenas 33 letras.

De uma forma ou de outra, o alfabeto se popularizou como uma escrita eclesiástica e os irmãos condenados acabaram canonizados pela Igreja e ganharam a devoção dos búlgaros, cristãos e ateus.

Foto das Estátuas de bronze dos irmãos Kirill e Methodius na Macedônia
Estátuas de bronze dos irmãos Kirill e Methodius na Macedônia. No livro estão representados os caracteres do alfabeto inventado por eles

 

Sua origem condenada, a motivação de seus criadores e o contexto histórico conturbado que viveu desde sua criação até os dias atuais explicam porque as letras do alfabeto cirílico causam tanta estranheza aos ocidentais, habituados a ver seus ideogramas espalhados pelo mundo.

Ainda assim, o cirílico venceu o tempo, tornou-se a escrita oficial de 6 línguas eslavas e, com a entrada da Bulgária na União Europeia em 2007,  tornou-se também o 3º alfabeto oficial da U.E.

 

“O UpToWhat é um participante do Programa Associados da Amazon, comprando os livros divulgados nesse post através do nosso link, parte da renda da compra é destinada ao UpToWhat sem você pagar nada a mais por isso.”

Fontes

As imagens possuem links para suas respectivas fontes.

Entre as fontes usadas para a elaboração do texto estão:

O Livro da História – As Civilizações Antigas

Mundo Educação

Jornal GGN

GRR Reporter

History of Macedonia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *